Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Onda Jovem - Jornal Escolar

Há vários anos que o Onda Jovem publica alguns dos acontecimentos mais relevantes que se passam na escola, sobretudo acontecimentos e momentos felizes. Afinal, pensar, escrever, ler e ver estimulam as nossas aprendizagens e conhecimentos.

Onda Jovem - Jornal Escolar

Há vários anos que o Onda Jovem publica alguns dos acontecimentos mais relevantes que se passam na escola, sobretudo acontecimentos e momentos felizes. Afinal, pensar, escrever, ler e ver estimulam as nossas aprendizagens e conhecimentos.

14
Jan21

Eu no clube

Clube de Jornalismo da EBAAL

aabb.jpgEu entrei no clube de jornalismo para tentar ajudar quem se sente inseguro ou tem outros problemas pessoais, dando-lhe os meus conselhos e opiniões. 
Mais tarde, pretendo ser biólogo porque sempre tive um grande fascínio por quem trabalha nessa área, mas... gosto de ouvir e aconselhar as pessoas relativamente aos seus problemas emocionais, quer estejam tristes, zangadas ou confusas. Caso não dê para ser biólogo, gostava de ser terapeuta ou psicólogo. Daria conselhos para as pessoas melhorarem a sua saúde mental e física, nomeadamente para melhorarem a autoestima e para resolverem problemas com a escola. Eu gostaria de me focar em assuntos como estes, porque, simplesmente, não quero que esses problemas piorem e cheguem a um ponto em que não haja salvação.
Se estás a passar por algum problema deste tipo, fala com um médico ou terapeuta/psicólogo antes que se torne pior.

Samir A.

16
Dez20

A Árvore dos Desejos

Clube de Jornalismo da EBAAL

À entrada da biblioteca da nossa escola, está uma árvore especial: "A Árvore dos Desejos".
Esta ideia surgiu da colaboração entre os vários elementos da equipa da biblioteca. Queriam fazer uma árvore diferente. Então, uma professora sugeriu pintar uma árvore, outra sugeriu que fosse uma árvore dos desejos... Por isso, depois de pintada pela professora Emila Sá Pereira, de EV, decidiram propor aos alunos escrever um desejo em post-it e colarem-no na árvore.
Os alunos aderiram bem à ideia e têm-na enchido de desejos.
Agora, a árvore está à porta da biblioteca e, se querem saber, está a realizar desejos!...

Afonso P.

árvore.jpg

 

03
Dez20

Conselho Eco-Escolas com muitas novidades

Clube de Jornalismo da EBAAL

Realizou-se no dia 26/11, on line, a primeira reunião, neste ano letivo, do Conselho Eco-Escolas da Escola Dr. António Augusto Louro, o qual conta com alunos e professores do 2.º e 3.º ciclos, um elemento da Direção, um representante dos assistentes operacionais, um representante dos EE, um representante da autarquia, um representante da AME Seixal (Agência Municipal para a Energia) e um representante da Associação Zero.
Nesta reunião, as coordenadoras relembraram, e deram a conhecer aos novos elementos do referido Conselho, os objetivos e temas do Eco-Escolas, Programa de Educação para o Desenvolvimento Sustentável a nível internacional, que "pretende encorajar, reconhecer e premiar o trabalho desenvolvido pela escola na melhoria do seu desempenho ambiental e sensibilização/educação para a necessidade de adoção de comportamentos mais sustentáveis."
À semelhança do que aconteceu no ano passado, vai fazer-se um inquérito aos alunos para determinar a situação atual na escola e definir o plano de ação, com base nos resultados da auditoria ambiental, o qual será monitorizado e avaliado.
Este plano contemplará os temas do Programa Eco-Escolas, sendo os temas base a água, os resíduos e a energia; o tema do ano, espaços exteriores; e os temas complementares, as alterações climáticas e o mar.
Neste momento, a escola já está inscrita no programa Ecovalor, que " tem como objetivo promover boas práticas ambientais," premiando as escolas "que apresentam melhor desempenho na reciclagem das suas embalagens usadas"; no projeto Geração Depositrão, relacionado com a recolha de lâmpadas e pilhas; na campanha de recolha de tampinhas; nas Brigadas de Monitorização da água e da energia; no projeto "O mar começa aqui", que pretende consciencializar a comunidade educativa de que “tudo o que cai no chão, vai parar ao mar”; e na atividade "As Árvores da Minha Escola".
No ano letivo passado, a Brigada da Floresta fez o levantamento das espécies existentes na escola, pelo que irá receber quatro placas identificativas de quatro espécies arbóreas. Foram também adquiridos bancos de jardim feitos com plástico reciclado e parcialmente pagos com as tampinhas recolhidas, numa iniciativa da UPAAL.
A escola vai ainda inscrever-se nas seguintes atividades: “Os Suspeitos do Costume”, que consiste na monitorização do lixo produzido na escola; “Geração Verdão”, relacionada com a reciclagem de resíduos de embalagens; “Onde está o EcoLápis”, relacionada com sustentabilidade; “Desafio UHU”, relacionado com a biodiversidade; e o “Poster EcoCódigo”, que consiste na criação, pelos alunos, de uma declaração de objetivos, a traduzir em ações concretas por parte de toda a comunidade educativa.
Para além das várias atividades em que a escola está envolvida no âmbito deste programa, haverá ainda lugar à comemoração de dias especiais, prevendo-se também convites a diversas entidades locais, a encarregados de educação e outros elementos da comunidade educativa.
Foi com muito interesse que os alunos seguiram a apresentação das várias atividades previstas, mas foi, sem dúvida, o anúncio, por parte do representante da AME Seixal, do lançamento, no dia 5 de dezembro, do desafio "Bio Escape Room" que mais intervenções desencadeou, tanto pela riqueza da proposta como pelos prémios a atribuir.
Fica atento/a, descarrega a aplicação no teu telemóvel e participa! Ser um(a) eco-estudante proativo(a) só traz vantagens.

fff.jpg

 

27
Nov20

Direitos da criança em exposição

Clube de Jornalismo da EBAAL

IMG_20201126_103139.jpg

Na disciplina de EMRC, os alunos do 6.º ano e alguns do 7.º fizeram trabalhos sobre a Convenção dos Direitos da Criança, que se comemorou a 20 de novembro.
Estes trabalhos estão expostos na galeria de exposições Pedro de Sousa até dia 3 de dezembro.

IMG_20201126_103158.jpg

 

19
Nov20

Escola nova, vida nova!

Clube de Jornalismo da EBAAL

Vim, este ano, para esta escola e estou no 6ºD.

A nossa receção foi com a DT e foi um momento muito agradável. No dia seguinte, depois do primeiro tempo, passei logo o intervalo com as minhas colegas (a Lara Sargento, a Bruna, a Beatriz Sofia, a Beatriz Pereira, a Marta, a Clara e a Ana Rita). A simpatia dos colegas e dos adultos (as auxiliares, as senhoras do refeitório, os professores, etc) ajudou-me a sentir-me à vontade.

No final de cada dia, mas nesse em especial, levei comigo felicidade, carinho, amizade e outros sentimentos maravilhosos. Até comecei a achar que o meu coração ia rebentar de tanta alegria!

Numa sexta-feira, eu e alguns dos meus colegas da turma fizemos um McDonald’s: encomendámos hambúrgueres, nugets, etc, sentámo-nos todos juntos no jardim do amor e fizemos um almoço partilhado. Mas com todos os cuidados!... Foi o melhor dia da minha vida!

Acho que esta escola é melhor do que a anterior em muitas coisas, mas uma muito importante é que, quando algum aluno age mal, os adultos intervêm logo.

E até agora tem corrido tudo muito bem!

Núria A.

12
Nov20

Uma língua, dois (?) sotaques

Clube de Jornalismo da EBAAL

Todos sabemos que em Portugal e no Brasil se fala a mesma língua, o português… No entanto, alguns portugueses dizem que no Brasil se fala “brasileiro”, mas nós falamos português, o português do Brasil.

É muito engraçado como na mesma língua há tanta diferença. Pois é, há muitas diferenças, tanto na escrita como na pronúncia. Quando cheguei cá, em dezembro de 2018, eu não entendia nada do que falavam. Na primeira semana, decidi ligar a televisão e, como era esperado, não entendi “nadinha”, mas, aos poucos, fui-me acostumando com o sotaque daqui, e a escola foi uma grande ajuda: não só para aprender a ouvir, como para fazer amigos, e amigos que estão presentes até hoje na minha vida.

Henrique N.

IMG_20201112_162638.jpg

 

06
Nov20

A minha vinda para Portugal

Clube de Jornalismo da EBAAL

A ideia de me mudar para Portugal começou em 2017, mas não tinha certeza se realmente gostaria de morar aqui. Em setembro de 2018, meu pai e minha mãe fizeram uma viagem para cá para ver se realmente nos iríamos mudar. Após essa viagem, tivemos a certeza.

Depois de uma preparação em 2019, o grande dia chegou. No dia 12 de fevereiro de 2020, saímos do Brasil e, no dia seguinte, chegamos aqui e a minha aventura em Portugal começou.

Um mês após a minha chegada, começou o estado de emergência por causa da Covid-19. Fiquei um mês e meio sem sair de casa, apenas podendo ir ao mercado. Todo esse tempo que fiquei em casa, tive aulas online, mas não era muito legal porque não podia ver os meus amigos.

Chegaram as férias de verão. Infelizmente, não foram muito legais porque não pude sair muito de casa. Mas diferente de alguns meses atrás em que não podia sair para nada. Após o término das férias, começaram as aulas. Foi muito legal porque pude rever os meus amigos, com algumas regras de distanciamento, mas, mesmo assim, foi muito legal.

Matheus R.

IMG_6018.JPG

 

21
Set20

O regresso

Clube de Jornalismo da EBAAL

E foi assim, quase sem dar por isso, que iniciámos um novo ano letivo. Aos mais novos na nossa escola desejamos boa sorte no seu percurso escolar e aos veteranos também!
Bem-vindos ao clube de jornalismo!

12
Abr20

Alunos e Professores da Roménia na EBAAL

Clube de Jornalismo da EBAAL

IMG_20200309_182438.jpg

Alunos e professores da Roménia, na semana de 9 a 13 de Março, no âmbito do projeto Erasmus + “Let’s share our heritage!”, vieram partilhar do nosso património e do nosso dia a dia aos vários níveis.

lmpulsionados pelo gosto de bem receber por cá, todos fizeram a sua parte. O acolhimento fez-se com música e dança, graças a contributos variados, desde os de alunos do 5.º ano aos da Diretora, não faltando o hino da escola nem a experiência do nosso folclore (e de outros!), muito menos o nosso artesanato e a nossa gastronomia! À boa maneira portuguesa, os pais dedicaram-se com tal generosidade como se tivéssemos cá não uma, mas as quatro comitivas antes esperadas, apostando não só na quantidade, mas também na variedade e qualidade dos acepipes, que fizeram as delícias tanto dos visitantes como de quem é da casa.

E assim se acumularam mais energias para levar a cabo o grande propósito, apoiado num programa rico e intenso, que consistia em fazer viver Portugal em cinco dias a quem nos visitava!

Se as danças e a música permitiram quebrar o gelo, a gastronomia repor energias e desafiar os sabores, a oficina de azulejos permitiu o contacto direto com uma arte milenar, tão característica do nosso país desde há vários séculos, e um melhor conhecimento de um elemento decorativo típico, que tem sido também suporte para a expressão artística nacional. Desta forma, mas embalados também pelos trabalhos realizados nas diferentes escolas, foram os alunos de um e outro país lançados na grande reflexão subjacente a este encontro, que consistia em perceber o que é a identidade e como é que o património molda ou define a identidade de um povo.

E porque a língua também é um fator de identidade por excelência, como esperado, os nossos alunos experimentaram ainda ser atores e professores, numa aula dinâmica de português para estrangeiros que, certamente, permitiu aos jovens de visita dirigir algumas palavras e expressões às famílias que os acolheram, tal como fizeram na escola.

Sendo os grandes desafios deste projeto assentes no princípio de “aprender fazendo”, com especial relevo para atividades fora da sala de aula e os vários sentidos orientados para o património, este encontro privilegiou as visitas de estudo, dando a conhecer não só o nosso concelho como também a região, com especial destaque para os nossos moinhos de maré, mas também os moinhos de vento de Palmela, a Casa-Museu José Maria da Fonseca, com as suas antigas adegas, e o incontornável Parque Natural da Arrábida, no qual património natural e património cultural estão em perfeita harmonia. Pelo seu valor paisagístico, histórico-cultural, botânico, zoológico e geológico, foi à Arrábida que foi dedicado mais tempo, tendo o grupo inclusivamente feito um percurso pedestre entre as ruínas romanas do Creiro e a gruta de Santa Margarida, lado a lado com um dos raros exemplos do maquis mediterrânico.

E como estes encontros internacionais não são meros passeios turísticos, os nossos jovens anfitriões, apoiados nos trabalhos realizados com este propósito, foram, por momentos, os guias, ajudando a compreender o que o olhar nos ia oferecendo e alimentando o conhecimento de que todos haveriam de dar conta…

Voltando ao nosso concelho, mereceram também uma atenção especial a igreja da Arrentela, a Quinta da Fidalga e a baía do Seixal, que, para ser vivida em pleno, obrigou a um passeio no típico “Varino Amoroso”, o qual nos permitiu voltar ao moinho já visitado um dia antes, agora noutra perspetiva, e ir ao encontro de aves muito especiais, como a garça-branca-grande e a garça-real, entre outras.

E foi a bordo que a notícia da declaração de pandemia pela OMS nos chegou, levando a equipa da Roménia, coordenadora do projeto, a desistir do programa previsto para o dia seguinte, um dia programado para a descoberta da capital e das suas ruelas e bairros, do Lisboa Story Centre,  de Belém… e, no fundo, de uma boa parte da História da região e do país…

Os dias que se seguiram não foram, contudo, dados como perdidos: parte do programa de sexta-feira antecipou-se para quinta… Discutiu-se e escolheu-se o logo do projeto, deu-se a conhecer mais sobre a História e Cultura dos países envolvidos e mais, muito mais sobre a nossa escola e o nosso patrono, especialmente sobre o que este deu ao país e aos portugueses. E ouviram-se pregões populares e canções em vozes muito especiais, ao vivo, que emocionaram quem ouviu! E tudo com a prata da casa!...

Mas houve tempo também para visitar a exposição de trabalhos feitos no âmbito do projeto, para trabalhar em grupo, revendo a semana, os registos individuais e a pares naquele que era um guião e um diário, especialmente pensado para esse efeito e para servir de base ao início de uma história prestes a começar, desafiando a imaginação e a perceção de como são os portugueses e o seu país.

O mote estava lançado. No dia seguinte, far-se-ia o que antes já havia vontade de fazer, mas não tempo... Haveríamos de nos encontrar todos num belo parque, com uma vista encantadora, o parque urbano do Seixal, onde teria lugar um agradável piquenique e onde o início da história se iria realmente escrever com os vários contributos de uns e de outros. As novas tecnologias permitiram-no. Afinal, não é só na sala de aula que há espaço para a escrita e para a avaliação!... Ali também se fizeram. Houve trabalho, convívio, exercício e ar puro. E a história vai continuar. Há de continuar no próximo país.

Resta um sentido agradecimento a todos os que contribuíram, à sua maneira, para o sucesso desta semana, apesar de todo o contexto…

28
Fev20

Torneio de Boccia na EBAAL

Clube de Jornalismo da EBAAL

boccia1.jpg

Um torneio de boccia trouxe à AAL, no dia 5 de fevereiro, várias escolas da região a competirem entre si pelo título de campeã.

Para a arbitragem, foram escolhidos alunos de algumas escolas e a representar a AAL estiveram duas alunas do 7.º E, Rita Paulino e Inês Costa.

No final do torneio, entre as equipas de Desporto Escolar quem ficou em primeiro lugar foi a escola de Vale Milhaços, em segundo, ficou a Nuno Álvares e, em terceiro, a José Afonso. Relativamente ao torneio "Todos por um", a nossa escola ficou em primeiro lugar, seguida de Vale de Milhaços, e, em terceiro lugar, a Nuno Álvares.

Inês Costa